A venda de natal

25 de dezembro uma venda inesquecível

 

Com a chegada do natal me lembro do começo de minha carreira na corretagem, como todo começo lhes digo que foi muito difícil, eu sai da imobiliária que trabalhava e fiz o que muitos disseram na época ser uma loucura, eu decidi começar do zero.

 

venda de natal
venda de natal

Eu estava em meu escritório era uma época difícil, eu não tinha todos os recursos dos quais disponho hoje, e as vendas eram feitas da maneira tradicional com consultas oriundas das boas e velhas placas, mas no final de ano como todos sabem os compradores já estão em ritmo de festa e do dia 20 para frente, praticamente ninguém encontra mais ninguém, minhas contas estavam todas para vencer, e eu praticamente não tinha um centavo para quitar as mesmas, era dia 24 de dezembro e sinceramente eu estava frustrado, pois eu tinha trabalhado muito e minhas vendas começariam a sair só no ano vindouro, foi quando decidi que naquele ano eu trabalharia no dia de natal.

O milagre da venda de natal

 

No dia 25 de dezembro eu fui para o escritório e estava determinado, eu teria que vender para pagar as minha contas, não tinha jeito era vender ou vender, pelo menos esse era o meu pensamento, abri o escritório as 08:00 da manhã, durante o dia todo não entrou uma viva alma compradora de imóveis no escritório, quando a tristeza parecia ter me dominado, entrou em meu escritório um senhor de uns 55 anos, de cor branca com roupa surrada, de aparência bem sofrida, pensei comigo :

poxa além de não entrar ninguém no escritório eu ainda vou ter que dar esmolas ! – mas fui de forma gentil conversar com aquele senhor, eu disse pois não em que posso lhe ajudar, ele falou com voz mansa :

quero comprar aquela casa duas ruas abaixo do seu escritório, eu me espantei pois tratava-se da casa mais cara do bairro, já era final de tarde e pensei comigo, eu não tenho nada a perder mesmo e fui mostrar a casa.

Após a visitação perguntei ao senhor quase que em ton sarcástico, ( O senhor gostou da casa ) é a vista ou financiado ?  – ele me disse a vista ! – eu quase cai da cadeira e disse como, ele disse em dinheiro.

Ele sacou uns 20 mil reais da bermuda que estava usando, e pediu para que eu providenciasse um recibo, eu fiquei pasmo com aquela situação, pois nunca havia acontecido anteriormente, fiz o recibo com o sorriso estampado no rosto e chamei o proprietário, para receber o sinal.

aquela foi uma venda salvadora de lavoura, e batizo a mesma como o milagre da venda de natal, minha conclusão sobre tudo é que o universo me recompensou pelo esforço e pela determinação, eu disse que iria trabalhar no natal e que venderia, graças ao bom Deus e a minha persistência a venda se materializou do campo imaginário para o real.

artigo de Sérgio F. Barbosa