O Teatro o pipoqueiro e a nação enganada.

O Teatro o pipoqueiro e a nação enganada.

A mídia endeusou Neymar, a globo o tratou como uma entidade superior, e agora?.

O Galvão Bueno como sumo sacerdote da religião “Neymarismo,” o colocava em patamares galáticos, parecia que estavam falando de um alienígena; alguém com uma missão um messias da república dos bananas.

Um bando de aproveitadores da nação, saqueadores da atenção de nossos problemas mais graves; a educação está ruim?, o Galvão grita Neymar pra dentro deles, a segurança pública está um caos, de novo Galvão tem a solução, Neymarrrrrrrrrrrrrrr, a saúde está um caos?, chama o Neymar Galvão!.

Somos massa de manobra, marionetes controladas pelos donos do teatro, teatro esse chamado copa do mundo.

A peça segue, os gols saem, e as partidas acontecem, pretexto para encobrir a péssima qualidade em nossa educação, segurança, e caos em nossa saúde.

Crianças passam fome, pessoas morrem em filas de hospitais e Galvão grita “Neymarrrrrrrrrrrr” o maior desrespeito, é quando um jogador de futebol ganha mais que um professor.

Continuem a mandar em nossos comércios, dizendo que tem que liberar funcionário no dia do jogo, continuem a tirar a autoridade dos patrões em seus próprios estabelecimentos, e isso reverterá em uma onda de desemprego tão grande, que a economia será atingida de um jeito, que em breve vamos brincar de simulador de Venezuela, mais ou menos igual a época da greve dos caminhoneiros.

Neymar, você verá Pelé, Gerson, Rivelino, Romário, Ronaldo e tantos outros e saberá que jamais será igual a eles, que sirva como lição para ser mais humilde.

Voltemos a realidade da república dos bananas, com tantos ladrões soltos, e o caos costumeiro o qual já nos é tão familiar.

Sérgio F. Barbosa.