Preços de imóveis de alto padrão despencam

Preços de imóveis de alto padrão despencam

Valores de imóveis de alto padrão caem

Casas relativamente novas de alto padrão em bairros nobres da capital estão perdendo valor. A última pesquisa mensal do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP), referente a setembro, mostra que o metro quadrado das casas de luxo com até sete anos vendidas na zona A – que, segundo a instituição, compreende 20 distritos nobres, incluindo Vila Nova Conceição, Morumbi, Alto de Pinheiros e Jardim Anália Franco – custa aproximadamente um quarto do que um ano antes. De setembro de 2010 ao mesmo mês de 2011, o metro quadrado passou de R$ 9.642 para R$ 2.640.

“Na medida em que o interesse de compra diminui, o preço é o instrumento que se usa no mercado”, diz o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto.

No Morumbi, de acordo com o corretor de imóveis Roberto Simonsen, da imobiliária Maber, o metro quadrado de uma casa chega a R$ 2,5 mil, bem menos do que os cerca R$ 4,5 mil cobrados em condomínios verticais ou horizontais da região. “Há um problema de liquidez. Em vez de vender em um prazo médio de seis meses, pode demorar de três a cinco anos”, conta. Somente num trecho da RuaAdalivia de Toledo, no Real Parque, pelo menos seis imóveis estão disponíveis para venda.

Para a diretora comercial da imobiliária Lello, Roseli Hernandes, a violência explica a fuga dos moradores. “No Morumbi, as casas de alto padrão estão vivendo um drama. As pessoas não se sentem seguras e saem.” Neste ano, os roubos à residência tornaram-se problema frequente no bairro.

A delegada titular do Creci-SP no distrito da zona sul, Shirley Toledo de Oliveira Kanazawa, acredita que a desvalorização dos imóveis e o aumento da oferta para venda sejam provocados por diversos fatores e agravados pela onda de crimes. “São casas com mais de 30 anos e pessoas que, com a idade, passaram a ganhar menos. Também há a dificuldade se obter funcionários para a manutenção dos imóveis”, explica.

Mais seguro. A queda de preços verificada no Morumbi não se repete, entretanto, em todas as regiões – mesmo as próximas. De acordo com Shirley, áreas como Jardim Guedala e Vitória Régia ainda atraem a classe A. “E tenho imóveis no Jardim Europa que custam R$ 10 mil por m².”

Em Perdizes, a procura é por casas de vilas, segundo o corretor Hermenegildo Vicente, há 15 anos no mercado. “Com os preços exorbitantes, está difícil. Uma pessoa não consegue um imóvel desses por menos de R$ 800 mil.” O valor, de acordo com ele, é maior no Pacaembu, onde o metro quadrado custa em média R$ 5 mil.

Segundo o diretor local da Brasil Brokers, Marcelo Senna, os destinos de ex-moradores das casas são os empreendimentos verticais, menores e com reforço na segurança. “A migração é para apartamentos ou para casas em condomínios fechados”, diz.

Viana Neto acredita que os problemas de liquidez e evasão sejam passageiros: “Quando começa a haver ocorrência de assaltos, há dificuldade para a comercialização na região, mas não é irrevogável”. Sanados os problemas, o mercado consegue se recuperar, segundo ele: “Em seis meses, tudo volta ao normal”.

o velho ditado de vale quanto pesa, não se aplica para os imóveis de alto padrão, conheço clientes que investiram verdadeiras fortunas em acabamento, e na hora de vender isso não ajudou em nada.

Para Roseli Hernandes, apenas um boato é capaz de interferir na procura de imóveis, e o problema da violência atinge todas as regiões da cidade. Se a intenção é a de evitar erros na aquisição de um imóvel, ela recomenda pesquisa: “Procure uma imobiliária local e se informe”, diz.

Fonte: O Estado de S. Paulo