Quanto maior a comissão do corretor de imóveis, maior a responsabilidade

Quanto maior a comissão do corretor de imóveis, maior a responsabilidade
O Brasil conta com ótimos profissionais no mercado, porém ainda há uma dificuldade muito grande em administrar o próprio dinheiro e o da sua família. Em profissões como a de corretor de imóveis, onde o salário mensal depende da venda, administrar o dinheiro pode ser ainda mais desafiador. Por que?

Segundo o especialista em planejamento financeiro familiar, Augusto Saboia, a principal dificuldade do corretor de imóveis é medir a distância entre o que ele gasta e o que ele recebe. “Se o corretor não tem esse discernimento, ele acha ao ganhar R$ 15 mil, fruto de uma comissão, pode gastar este valor por mês e correr o risco de ficar com saldo negativo no fim do ano”, afirma.

Como escapar desta armadilha?

Saboia recomenda que o corretor pode procurar outras atividades no segmento que possibilitem o pagamento de parte de suas despesas. “Só depender da venda do imóvel é arriscado. O corretor pode negociar parcerias com outras empresas, aplicando a gestão de sua carteira de imóveis para administrar os débitos mensais”, afirma.

Envolver a família nesse processo é decisivo para o sucesso ou fracasso desta estratégia. “Os gastos quase sempre vêm antes da receita, então é preciso listar todas estas despesas dentro uma planilha para que haja um fluxo ordenado. Assim, quando o corretor realizar uma grande venda, evita gastar além da conta, sem planejar os meses seguintes. É possível ganhar dinheiro com a profissão, pois no Brasil há um déficit habitacional de 30 milhões de casas. Mas sem planejamento, o corretor se arrisca a levar uma vida no vermelho”, finaliza.

Fonte: Redimob