4 vantagens do sistema de amortização de empréstimos

4 vantagens do sistema de amortização de empréstimos

Sempre, após confirmar a proposta de financiamento e saber que o crédito foi aprovado, o interessado receberá o contrato com todos os detalhes da transação. Nesse ponto, existe um sistema específico que está relacionado diretamente à maneira como as prestações serão definidas. Conhecido como amortização de empréstimos, ele é uma maneira da instituição definir o pagamento das parcelas.

A seguir, você saberá um pouco mais sobre como esse sistema funciona. Entenda!

O que é amortização de empréstimos?

Como via de regra, amortizar é o ato de quitar a dívida em partes, ou seja, ela é aquela quantia, sem custos adicionais ou juros, que pagamos para liquidar o que a instituição emprestou.

Contudo, quando realizamos um empréstimo, além do valor do débito, existem outras despesas que compõem o total das mensalidades. Então ainda temos que contar com essa divisão da cobrança do financiamento:

  • valor total principal: é o montante final da parcela, ou seja, é a amortização mais os custos, como TAC (tarifa de abertura de crédito), IOF (imposto sobre operações financeiras), tarifas de cartórios, juros, etc;
  • juros: o valor percentual cobrado pelo credor para realizar a concessão;
  • saldo devedor: é a quantia da soma de todas as parcelas, isto é, o total da operação.

Qual é a diferença entre amortização e refinanciamento?

Diferente da amortização, onde a parcela só pode ser quitada por meio de dinheiro, o refinanciamento já oferece mais possibilidades de pagamento. Nessa circunstância, é possível solicitar o crédito utilizando um bem como garantia.

No mercado, é possível encontrar casos de refinanciamentos que aceitam de imóveis a veículos. Nesse tipo de modalidade, a propriedade fica no nome da instituição financeira até que o débito seja pago. Como o banco tem essa garantia, é comum que os juros sejam mais baixos, o prazo mais longo e o valor liberado é bem mais alto.

Taxas de juros

As taxas para essa modalidade são divididas em duas:

  • pré-fixada: essa é uma tarifa definida quando o contrato é fechado. Sua principal característica é que não varia conforme o tempo, então o cliente sabe o quanto pagará logo no começo;
  • pós-fixada: já essa costuma sofrer correção monetária dos índices do mercado. Nesse caso, taxa referencial, IPCA ou IGP-M podem ser responsáveis por determinar o seu valor.

Sua peculiaridade está no fato de que seu cálculo sempre ocorre no fechamento do mês precedente. Dessa forma, as parcelas mudam sua quantia periodicamente e não há como saber qual será o valor dos juros.

O que é Tabela Price e SAC?

No Brasil, costuma-se amortizar empréstimos e financiamentos de duas maneiras. Uma é o SAC (Sistema de Amortização Constante), e a outra é a Tabela Price. As duas possuem um princípio comum: redução do saldo.

Assim, a dívida é calculada até a data de sua amortização. Depois do pagamento da parcela referente, o cálculo é refeito com os juros sobre o valor que sobrou. Dessa forma, a cobrança sempre fica menor. Entretanto, apesar dessa similaridade, ainda há algumas características específicas de cada tipo. Entenderemos mais detalhadamente!

SAC

O Sistema de Amortização Constante é, normalmente, usado para financiamentos de imóveis. Diante disso, a amortização é fixa, ou seja, o mesmo valor é descontado todo mês — claro, exceto a correção monetária que muda a cada mês.

No entanto, os valores dos juros diminuem com o tempo e a quantia final das prestações são reajustadas. Dessa maneira, o consumidor paga mais no começo e menos no final do empréstimo.

Tabela Price

Aqui, as parcelas não variam como no SAC e todas as prestações têm o mesmo valor. O que sofre alteração é a amortização e os juros. Assim, no Price, a quantia amortizada aumenta enquanto os juros diminuem, porém isso não afeta o valor total da parcela. Esse tipo de modalidade é mais usada em compras de eletrodomésticos e veículos.

Quais são as vantagens da amortização de empréstimos?

Como os dois tipos de amortização têm características diferentes, é importante pensar bem qual é a mais vantajosa para a sua situação. Vamos apresentar as vantagens e os riscos de cada uma. Entenda!

1. Valor fixo

No caso da Tabela Price, ela possui o valor fixo que pode ser pago mensalmente, visto que a única coisa que muda são os juros e a quantia da amortização.

2. Sem Influência do mercado

Aqui, novamente a Price sai em vantagem, já que ela não sofre com as oscilações dos índices econômicos. Ou seja, sua taxa é pós-fixada.

3. Prazos maiores

A Tabela Price é um tipo de amortização que oferece prazos maiores, pois como sua prestação é fixa, diferente da SAC, o consumidor não paga o maior valor já no início, obtendo mais tempo para quitar as prestações.

4. Rapidez para quitar a dívida

Essa é uma das vantagens exclusivas da SAC, o grande ponto aqui é que, como ela diminui ao longo do tempo, o interessado já enfrenta a pior parte da dívida nos primeiros meses. Assim, com menos tempo do que a Tabela Price, ele consegue quitar o empréstimo.

Quais são os riscos da amortização?

Maior incerteza do cumprimento do pagamento

Aqui, estamos falando unicamente da Tabela Price. O consumidor, por ter disponível mais tempo, corre o risco de não ter dinheiro suficiente para quitá-la até o período final.

Oscilações periódicas da parcela

Essa é uma desvantagem da SAC, apesar de ser mais rápida, ainda há o problema das variações que tanto a amortização quanto os juros sofrem, já que ela é influenciada pelo mercado.

Como escolher o sistema adequado?

O princípio para escolher qual é o melhor é analisar no que prejudicará menos o seu bolso. Depois, deve-se avaliar em quanto tempo você pretende quitar essa dívida e se você tem certeza que terá condições durante esse período.

Por exemplo, como destacamos no tópico anterior, o SAC tem a característica de cobrar mais no começo, porém ir diminuindo conforme o tempo. Dessa maneira, ele é mais recomendado para quem acredita que terá um aumento de renda, ou para quem já tem uma grande quantia e não tem certeza se terá as mesmas condições ao longo do tempo.

Agora, no caso do Price, por ser mais fixo e aumentar ao longo do tempo, ele se encaixa melhor para quem tem uma situação financeira mais sólida e sabe que conseguirá arcar com essa despesa mesmo por um longo prazo — já que as parcelas são menores e os juros que são altos.

Fonte: QueroFinanciar.com